segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

A anunciação

Naqueles dias em que
morriam partes de mim
eu me deitava contra o
lençol poeirento, inundando
minhas vestes com aquilo
que um dia eu iria me tornar.
No anunciar das noites
eu ingeria plantas sativas
escutando músicas que
se dividiam em
múltiplas camadas de
tons definidos e incorrigíveis.
Naqueles dias,
eu amava a mim mesmo,
já que não compreendia,
aquela que um dia ainda viria
a amar.

3 comentários:

  1. Nossa que coisa mais dolorida... que a alma nem sabe explicar

    ResponderExcluir
  2. te add no msn, se vale de alguma coisa, heheh
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. tá valendo sim... está aceita.
    bjão

    ResponderExcluir