sexta-feira, 31 de agosto de 2012




 o mundo é mal
o mundo é mal e não pede desculpas a ninguém





.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Um agosto quente



Artificialidades me assaltam de nojo
Órbitas negras e uma boquinha insinuante
Seu olhos lembram os de minha cadela
Que abana o rabo e pede ração



.,

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Tomei um ácido e fui ao circo



Tomei um ácido e fui ao circo
O mundo se derretia na minha frente
Palhaços junkies penetravam seus paus
Em uma bailarina em coma
O suor do trapezista se confundia com
As manchas da zebra em cólicas
Uma puta gorda ria e se babava do meu lado
Tomei um ácido e fui ao circo
Para lembrar de que nada vale a pena
E nada real; é por demais constante
Vejo todas essas escamas em minha pele
Um elefante chora
E o fogo consome todo o grande palco de cores e risadas.


,.~~]

sábado, 4 de agosto de 2012

Pedaços de ti



 Não vou mais escrever
Escrever é para tolos que pensam que são deuses
Vivendo os ensaios para uma vida perfeita
Um poço do não pensar
Uma colherada nonsense goela abaixo todas as manhãs
Doses homeopáticas ou a linha tênue de uma dose final
Tanto faz
É apenas um personagem condenado; um ator morto
Ninguém vive mais do que pode
Ninguém come mais do que pode
Ao menos não por muito tempo
O tempo
Ah! O filho da puta do tempo
O maior cobrador de impostos que já vi
Bundinhas cobertas de penugem deslizando em lençóis
Um cheiro de descoberta
Sonhos molhados
O tempo oxida as velhas fantasias
Pedaços de ti


;.~^

Lembranças do quarto verde




Esperar pouco ou quase nada
Esperar por canções de alívio
Havia uma imensa sala verde e muito sangue derramado
Por mais que as duas garotas gritassem

Tudo agora pertencia ao reino do inútil
Tudo agora caberia a ser decidido
Por alguma entidade provençal coberta de lodo

A madeira verde se desintegra para dar espaço aos cacos da ternura
O caos exala longas baforadas de seu cachimbo ocre
Toneladas de ironia desmancham como geleiras
A vida se despediu da primeira garota
E o vapor da vida dessa
Alimenta e cura as feridas purulentas de sua meia irmã



.,.;